quinta-feira, 10 de novembro de 2011

Diálogo irrelevante ex(con)temporâneo


(Fotos: Internet)

Acordar cedo é uma merda. E acordar cedo pra ir à aula é uma merda maior ainda. Mas tudo vale a pena quando se desenvolve a seguinte situação e o seguinte diálogo meio surreal entre um professor e essa aluna que vos escreve:

Professor escreve no quadro sobre gestão da informação dizendo ser este o "supra-sumo" de uma boa organização jornalística. Detalhe: todos na sala têm no máximo 23 anos, e não sabem o que significa essa expressão.

Essa aqui, quando ouve, pergunta:
- Professor? Supra-sumo? De que século é essa expressão? - ninguém entendeu nada. Nem o que ele disse, nem a minha pergunta
- Ah... eh... quer dizer... do século XX - responde ele todo vermelho igual um caqui se desmanchando, mas esquece de dizer que é da metade do século passado.
Meia hora depois ele comenta:
- Você entendeu!
- É que eu sou sua contemporânea - respondi.

Jean Marc Cotê cria que no século XXI as salas de aula seriam assim 


No final da aula quando peço pra ele compartilhar os slides com os alunos ele diz que não.
Logo, eu respondo:
-Mas professor, estamos na era digital. O "supra-sumo" desse século é o compartilhamento  - e dessa vez quem não entendeu foi ele.

quinta-feira, 29 de setembro de 2011

Empresa de TI lança concurso de inovação global para projetos de mobilidade


Iniciativa idealizada pela fornecedora internacional líder de soluções e serviços inovadores de TI para o setor financeiro tem como objetivo promover e premiar os avanços tecnológicos mais pioneiros do mundo em projetos de mobilidade. O primeiro projeto brasileiro classificado entre os 50 melhores será levado a CEBIT 2012 pela GFT Brasil com todas as despesas de hospedagens pagas






Denominado CODE_n 12, o concurso de inovação global lançado pela GFT, provedora global de soluções de TI para o setor financeiro, em parceria com a Ernst & Young, Fujitsu, Deutsche Messe e BITKOM, tem como premissa  buscar e promover soluções criativas de mobilidade no âmbito da Tecnologia da Informação.

O vencedor será anunciado durante a CeBIT 2012, uma das maiores feiras tecnológicas da Europa, e receberá um prêmio em dinheiro de  25 mil euros e dois anos de treinamento por gestores das empresas parceiras para que possa desenvolver seu negócio. A iniciativa também envolve a apresentação dos 50 melhores projetos classificados na CeBIT 2012, que serão demonstrados em um espaço dedicado especialmente ao CODE_n.

O evento acontecerá de 06 a 10 de março de 2012 em Hannover, Alemanha. Os participantes têm até 30 de novembro para apresentar seus projetos através do formulário disponível no endereço www.code-n.de/en.

O concurso, de acordo com o CEO do Grupo GFT e criador do CODE_n, Ulrich Dietz, além de mostrar o espírito pioneiro dos empresários no que tange aos avanços mais inovadores no desenvolvimento de novos modelos de negócio para a Internet e Mobilidade, tem como missão demonstrar o quanto o convívio social, tanto pessoal quanto profissional, já se encontra moldado por inovações de TI e Mobilidade.

“Boas ideias podem vir de qualquer lugar. Mas elas precisam de opiniões críticas e apoio necessário para ajudá-las a evoluir para modelos de negócios atrativos. Com a CODE_n, criamos a plataforma necessária para o sucesso do desenvolvimento e da promoção das inovações de TI em Mobilidade”, comemora o executivo, que esteve no País neste último mês para participar do Encontro Econômico Brasil-Alemanha (EEBA) especialmente para divulgar a iniciativa aos empresários brasileiros.

A filial brasileira do Grupo GFT premiará o primeiro projeto brasileiro que conseguir se classificar entre os 50 melhores com uma viagem para a CeBIT 2012 com todas as despesas de hospedagens pagas. “As inovações de TI são globais, se originam de qualquer região, mas podem atingir o êxito internacional. Por isso, esperamos que muitas empresas brasileiras participem do CODE_n para que o mundo possa conhecer suas propostas de inovação em mobilidade, explica Marco Alexandre Santos, country managing director da GFT Brasil.

Todas as empresas que quiserem participar devem seguir a temática do concurso, “Modelando a Vida Móvel", criado justamente para homenagear a empresa com a ideia mais inovadora e que mais se destacar no modelo de negócio Móvel.


Serviço:
1º Concurso Global CODE_n 12
Inscrições até 30/11/2011 através do site https://www.code-n.de/en
Informações: Danielle Lopes
            +55 11 2176-3253 begin_of_the_skype_highlighting            +55 11 2176-3253      end_of_the_skype_highlighting      

quarta-feira, 28 de setembro de 2011

Brasil receberá encontro mundial contra corrupção

Conferência é promovida pela Transparência Internacional e será realizado pela CGU e ONGs Ethos e Amarribo Brasil – que já ajudou a cassar dois prefeitos e agora avalia mecanismos brasileiros de combate à corrupção para OEA e ONU

28/9/2011 – Com 12 anos de existência e uma folha de serviços prestados aos brasileiros que inclui muitas denúncias, dois prefeitos e alguns vereadores cassados e a criação de uma rede nacional que ensina municípios a combater a corrupção, a Amarribo Brasil agora parte para atuação internacional. A ONG foi escolhida pela Transparência Internacional (TI) como sua representante no Brasil, e uma das primeiras responsabilidades será a realização da XV Conferência Internacional Anticorrupção (IACC), que acontecerá em Brasília de 7 a 10 de novembro de 2012.

O evento, bienal, é promovido pela TI e será realizado em parceria pela Amarribo Brasil, Controladoria-Geral da União (CGU) e Instituto Ethos de Empresas e Responsabilidade Social. Para a Amarribo, a responsabilidade de receber o maior evento internacional de combate à corrupção representa um grande desafio, mas também uma ótima oportunidade de dar bons exemplos para o Brasil. De acordo com a entidade, os brasileiros estão cansados de tanta corrupção e impunidade, como mostraram os movimentos pelo país no início de setembro.

Relatório


Outra responsabilidade da Amarribo como representante nacional da TI foi a elaboração de um relatório avaliando o cumprimento do Brasil da Convenção Anticorrupção, assinado pelos países que integram a Organização dos Estados Americanos (OEA) em 1996. O relatório aponta toda a legislação brasileira de prevenção à corrupção, a eficiência de seus mecanismos de fiscalização e os gargalos dos sistemas legislativo e jurídico, destacando os pontos mais críticos que estimulam a proliferação da corrupção pelos poderes públicos.

Entre esses gargalos, o relatório destaca a lentidão do judiciário, as possibilidades inúmeras de recursos e apelações, o foro privilegiado e a legislação desatualizada como os principais fatores da corrupção e da impunidade no Brasil. “É preciso tornar o sistema penal mais ágil e mobilizar a população para que a guerra contra a corrupção comece a ser vencida”, afirma o vice-presidente do Conselho de Administração da Amarribo Brasil, Josmar Verillo. Um relatório com o mesmo objetivo, mas para a Organização das Nações Unidas (ONU), também está em fase final de desenvolvimento pela entidade.

Leia aqui o comunicado oficial da CGU sobre a XV Conferência Internacional Anticorrupção:


Para mais informações, visite o site da conferência no endereço: www.15iacc.org ou escreva para iacc@transparency.org.

quarta-feira, 24 de agosto de 2011

Social Commerce 3.0: evoluir antes de ser ‘uma gigante’ da internet



Por Marcus Yabe*


Vender é importante, mas vender muito é ainda mais. O lucro continua sendo o fundamental, mas quando o relacionamento com consumidor será o centro das atenções?

Vivemos em uma guerra deliciosamente prazerosa de preços e possibilidades de compra imediata. Nunca se comprou tanto. Só em 2010, 23 milhões de brasileiros gastaram R$ 14 bi pela internet, e a tendência é que esse valor só aumente, já que as vendas online trazem economia, comodidade e praticidade, tornando-se uma das melhores opções na hora da compra. Apesar desse leque de pontos positivos, os serviços de compras via internet não impossibilitam a existência de reclamações. O que é preciso mudar antes mesmo do e-commerce brasileiro alcançar a sua maturidade? Do que os consumidores se queixam? Qual é o momento vivido?
Com o aumento nas vendas online, um novo termo surgiu para classificar o comprador que opta por essa prática. De consumidores, passam a ser chamados de “prosumidores”, ou seja, consumidores pró-ativos que avançaram na relação com o consumo e com quem vende.

São indivíduos que não consomem o que compram, mas consomem o momento vivido com o que eles compraram.  Essa é a diferença fundamental. As pessoas não estão à procura de um simples calçado para corrida, por exemplo. Quando elas compram um tênis é porque buscam o prazer do exercício, as experiências de uma caminhada e uma nova vivência. Por isso, um problema no percurso entre o “carrinho de compra” e a casa do consumidor pode ser desastroso.

Hoje, diversas lojas deveriam ativar um plano de gestão de crise para tentar resolver seus problemas no relacionamento com seus ‘prosumidores’. As pessoas reclamam e desejam ser atendidas imediatamente, atitude que faz parte da construção comportamental que a internet e a sua velocidade gerou.

Com todos os avanços que as equipes de desenvolvimento trouxeram, além do mapeamento dos padrões de comportamento em relação aos consumidores – realizadas pelos Mídias Sociais – por que ainda temos um grupo considerável de pessoas reclamando da sua experiência de compra? Por que algumas lojas evoluem em seus visuais, mas ainda pecam no relacionamento com quem move as suas engrenagens?

Hoje, um e-commerce deve ser tratado como uma rede social, pois muitos já apresentam perfis dos compradores, listas de desejos, integração com outras plataformas e, principalmente, um ambiente que propicia a interação, seja através de comentários ou avaliação.

Quando se transfere o foco para as redes sociais populares é possível notar o desperdício de muitos e-commerces em relação ao ambiente favorável à interação com os consumidores. As mídias sociais serão grandes canais de venda se, e somente se, antes elas forem locais para estimular e compartilhar a troca de experiências. A humanização da comunicação é fundamental no avanço dessa dinâmica. O monitoramento e a identificação de padrões básicos de comportamento são necessários e ainda é preciso uma postura ativa no relacionamento consciente e motivador com o seu ‘prosumidor’.
O social commerce 1.0 é a interação do consumidor com um e-commerce. Já o ambiente online modificado pela interação e propiciando a compra é o 2.0. Estudar, monitorar, planejar, modificar e criar um ambiente onde as pessoas não compram mais produtos e sim experiências, é o Social Commerce 3.0, em que não há membranas delimitadoras para o relacionamento e o estreitamento desta nova relação entre empresas e “prosumidores”.

* Marcus Yabe é especialista em mídias sociais e coordenador de inteligência da MITI Inteligência.

terça-feira, 23 de agosto de 2011

Pesquisa aponta os objetivos das empresas brasileiras na gestão de redes sociais




A Orbium, empresa especializada no desenvolvimento e na comercialização de softwares para Contact Center, acaba de divulgar uma prévia da pesquisa “CRM e Redes Sociais”, realizada com 156 companhias no País com o objetivo de identificar seus anseios e metas em relação à gestão da marca/produtos nas mídias sociais.

O levantamento foi conduzido entre os dias 5 e 19 de agosto por meio da internet e do telefone – utilizando o software que leva o nome da empresa, o Orbium – e abordou organizações de diversos segmentos, com representantes dos setores de serviços, financeiro, tecnologia, comunicação, varejo, benefícios, transportes, automotivo, seguros, imóveis, utilidades, indústria, call center  e telecom. Quanto aos cargos dos respondentes, 65% são presidentes e diretores ou gestores de atendimento e marketing. Os outros 35% são gerentes de vendas, operações ou tecnologia e analistas em geral. Trata-se de uma versão preliminar do estudo.

Do total de empresas consultadas pela Orbium, 70,4%disseram que pretendem investir em ações nas redes sociais imediatamente, enquanto 22,5% têm intenção de apostar nesse nicho, mas não a curto prazo. A minoria, representada por 7,1% dos entrevistados, garante que não tem interesse em investir nessas mídias.

Quando questionadas se já realizaram monitoramento de suas marcas nas redes sociais, 57,1% responderam que sim, de forma manual e 22,9% já o fizeram de forma automatizada. Nesse contexto, 52,1% das organizações entrevistadas consideram muito importante o monitoramento de sua imagem na internet, 43,7% classificam como importante e apenas 4,2% acreditam que esse trabalho seja irrelevante.

Além disso, 47,9% das empresas pesquisadas disseram que realizam ou já realizaram campanhas nas redes sociais e 42,3% afirmaram que nunca fizeram, mas possuem interesse. Somente 9,8% das companhias consultadas responderam que não promoveram ações nas redes sociais e que iniciativas dessa natureza não constam de seus planos. Sobre a possibilidade das redes sociais gerarem insights para as empresas, 53,5% das entrevistadas acreditam que elas podem sim contribuir com o negócio.


A Orbium também perguntou como as empresas percebem a interação de redes sociais com o CRM. Os dados mostram que 48,6% das organizações consultadas acreditam ser muito importante integrar o conteúdo das mídias sociais com o CRM. Outros 48,6% disseram que consideram importante, mas não a prioridade para seu negócio. Apenas 2,8% afirmaram ser irrelevante essa interação.

Benefícios

A pesquisa também questionou as empresas sobre os benefícios do investimento em redes sociais. A pergunta oferecia a possibilidade de marcar mais de uma alternativa. Os resultados apontam que 73,2% das companhias entrevistadas acreditam ser possível detectar e resolver problemas de consumidores por meio dessas ferramentas. Já 71,8% das organizações consultadas afirmaram que as mídias sociais possibilitam analisar de que forma a marca é percebida. Outro objetivo, assinalado por 54,9% das companhias pesquisadas, é a de utilizar essas mídias para acompanhar ações da concorrência. Além disso, 52,1% dos respondentes disseram ser possível analisar a repercussão das publicações de imprensa sobre a empresa e 46,5% afirmaram que as redes sociais também permitem reconhecer promotores e detratores da marca.


Obstáculos

Por meio do levantamento, a Orbium ainda procurou identificar possíveis obstáculos para que as companhias apostem em monitoramento nas redes sociais. A questão permitia ao entrevistado assinalar mais de uma alternativa. A amostra aponta que 45,1% das organizações pesquisadas consideram a falta de um processo automatizado como empecilho. Já 32,4% das empresas alegaram falta de verba para investir nessa área. Os resultados também indicam que 21,1% dos respondentes acreditam que haja falta de mão-de-obra especializada para exercer a função e 15,5% consideram que ainda há falta de conhecimento sobre o assunto. Curiosamente, 33,8% das empresas entrevistadas afirmaram que não enxergam nenhum obstáculo para que invistam nas mídias sociais. “O fato de os entrevistados terem sido, na grande maioria dos casos, os presidentes e diretores das empresas pode explicar esse dado, já que profissionais destes cargos possuem a visão total do negócio e talvez por isso não enxerguem obstáculos. Quando a abordagem é com a equipe operacional, que tem visão parcial do negócio, é notável a preocupação com os obstáculos e com disponibilidade para investimento” diz Clarice Kobayashi, vice-presidente de marketing e estratégia de negócios da Orbium.

sexta-feira, 12 de agosto de 2011

Jacques Janine inova e clientes podem marcar horário pelo Facebook

Pioneira na concepção “Beleza Completa”, a rede Jacques Janine sai mais uma vez na frente, destacando-se como a primeira empresa de beleza a implantar o RSVPBook, serviço de agendamento de horários nos salões pelo Facebook. Desenvolvido pela Full Squad, o aplicativo entra no ar seguindo a tendência de bares e restaurantes que, no Brasil e no mundo, começam a utilizar a rede social como canal de reservas. Porém, a dinâmica de um salão é mais "complexa", vai além do pedido de uma mesa para um número determinado de pessoas. Talvez, esse seja o motivo que mantinha empresas do segmento da Beleza distantes desse tipo de funcionalidade. Quebrando paradigmas, Jacques Janine volta a inovar e consegue viabilizar essa ideia. Para realizar uma reserva no Jacques Janine, o cliente só precisa entrar na fan page oficial da grife, JacquesJanineOficial, clicar no botão “curtir”, seguir o passo a passo do menu, escolher o serviço, dia e horário que deseja e pronto. O aplicativo permite, inclusive, que o cliente aponte que profissionais devem atendê-lo. Por enquanto, o serviço está disponível na Unidade Jacques Janine Augusta e se pretende expandir para outras unidades em breve.


Jacques Janine


Fundada em 1958 pelo casal Jacques e Janine Goossens, a grife Jacques Janine é a primeira rede de salões de beleza da América Latina. Sua trajetória é marcada pela elegância e pelo desenvolvimento da pioneira concepção “Beleza Completa”, reunindo em um mesmo ambiente a beleza do corpo e o bem-estar da mente. Atualmente, a rede possui 63 casas espalhadas em seis Estados brasileiros, que proporcionam atendimento com excelência, os melhores produtos, tratamentos e profissionais do mercado, traduzindo assim o conceito de qualidade e elegância presente na trajetória da grife. Jacques Janine é sinônimo de beleza e qualidade em seus serviços, sendo reconhecido no país com prêmios como Melhor Rede da Cabelos&Cia e Destaque Empresarial 2010 da You Brasil. A grife também faz parte da ABF – Associação Brasileira de Franquias.

quinta-feira, 11 de agosto de 2011

Bate Papo sobre E-commerce retoma atividade e traz Lígia Dutra e Helder Knidel




O Brasil já é considerado um dos países que mais vendem pela internet na América Latina e em Sergipe esse setor está crescendo cada vez mais. Para continuar atendendo a essa demanda, o Bate Papo sobre Ecommerce, evento gratuito que discute acerca da realidade e dos rumos do comércio eletrônico, retoma suas atividades em Aracaju no dia 26 de agosto. Em sua 8ª edição, o evento trará profissionais com a missão de baterem papo e solucionarem dúvidas do público sobre o dia a dia do comércio eletrônico.

O evento funciona de forma bem simples – é iniciado com duas palestras de profissionais de áreas ligadas ao e-commerce, que compartilham idéias e experiências com os participantes e, logo após, são montados grupos com a platéia, com o desafio de solucionar um problema de um dos membros de cada grupo.

O retorno das atividades do Bate Papo em Aracaju contará com as presenças de Lígia Dutra, idealizadora do projeto que já existe em diversas capitais do país desde 2008 e Helder Knidel, engenheiro de computação.

O propósito do bate papo é desenvolver o universo do comércio eletrônico e empreendedorismo através de uma rede de educação, informação e do compartilhamento de ideias que se manifesta através da internet e dos encontros, onde a conversa acontece efetivamente e as pessoas se atualizam com as novidades do mercado, trocam ideias, se conhecem e negócios se desenvolvem.
A realização deste evento é a união do trabalho de Sueli Bacelar, Clemisson Alves e Elaine Mesoli e essa edição do Bate Papo sobre E-Commerce conta com o apoio da CJE-SE (Conselho de Jovens Empreendedores de Sergipe), D´sire Viagens e Turismo e do Hotel da Costa.

Para participar deste evento que desenvolve e dissemina de forma estratégica e descontraída conhecimentos sobre comércio eletrônico, basta se inscrever através do link http://migre.me/5rxCS e no dia, levar 1 kg de alimento não perecível, como: feijão, macarrão, arroz, massa de milho (para cuscuz), etc..

Data: 26/08/2011
Horário: 18h30 às 21h30
Local: Sebrae
Rua: Av. Tancredo Neves, nº 5.500 B. América CEP: 49080-470


Contatos:
Elaine Mesoli (79) 9947-4888
Sueli Bacelar (79) 8825-2030
Clemisson Alves (79) 8109-7816


Programação

18h30 – Boas vindas
18h40 – Palestras  "E-commerce e Redes Sociais: como fazer links para gerar negócios" com Lígia Dutra e "Na nova geração do ecommerce os produtos encontrarão os clientes", Helder Knidel
19h40 – Coffee break
20h00 – Dinâmica
21h30 – Hora de dar tchau

 Conheça um pouco mais sobre os palestrantes deste mês:

Lígia Dutra - Fundadora da UpaLupa, rede focada em abrir portas e digitalizar organizações em fase de experimentação (start up's). Começou sua carreira no BuscaPé em 2004, e desde então colaborou com varejistas do setor de vestuário (Flytex, Netshoes, Shoestock e nkstore), participa de projetos inovadores (byMK, Bloompa e Tuilux), é facilitadora em cursos (ESPM e trespontos) e no meio do caminho fundou o “Bate papo sobre e-commerce”.


Helder Knidel - Engenheiro da Computação formado pela Universidade Federal do Espírito Santo (Ufes) e Mestre em Engenharia de Computação pela Unicamp. Sócio das empresas Natcomp e Tuilux, escreveu diversos artigos sobre Análise de Dados e Otimização usando técnicas de Computação Natural. é editor do livro Artificial Immune Systems, ICARIS 2007 e conselheiro-fundador da Associação Comercial de Santos Jovem. 

sábado, 23 de julho de 2011

O transporte público e a classe média aracajuana

Sexta-feira, dia de sair pra balada com os amigos, certo? Errado! Dia de ficar em casa pensando numa campanha de marketing digital pra uma agência pra ver se consigo um emprego. E o fim de semana inteirinho vai ser quebrando a cachola com isso. Mas, cá estou eu com os neurônios em altas sinapses, quando chega minha amiga Povobunda Débora Andrade se papocando de rir no chat do Facebook e me manda olhar o comentário numa foto que o superintendente da SMTT de Aracaju, Antônio Samarone, postou em seu perfil na rede. Até aí tudo ok. O post levava à discussão, já que o tema é bastante problemático, ainda mais aqui nessa capital, quem já leu meu  post sobre isso sabe que é um verdadeiro desafio.

Eis a foto e o comentário:


Ah, meus amigos, até agora, meia noite em ponto (até assustei quando olhei no relógio), essa postagem já tinha rendido 81 comentários, alguns não tão amistosos, mas todos polidos, comedidos, respeitosos, chegando a dar gosto ver a educação dos concidadãos sergipanos por nascimento ou por adoção, cabendo brincadeiras, metáforas, preconceitos contra a classe média os novos ricos - de acordo com a marca em vermelho -  e até alguns chistes do nosso superintendente virtualmente sociável.

                                 
Mas esperem! Nem tudo são flores no reino do Face e nem todo mundo é proveniente da camada erudita da população. Inclusive eu, classe média assumida, embora pense estar ainda longe de ser uma nova rica, já que não tenho carro pra andar a mais de 60 km/h e dependo do transporte público.
Cá pra nós andar de coletivo só deve ser bom em New York City mesmo, porque aqui no Brasil...
Falando na polidez e erudição eis que chega Sherlane Silva com toda sua espontaneidade e torna a noite mais risível. Também classe média e membro da Guarda Municipal de Aracaju, Sherlane é dessas que fala o que pensa e quando lhe dá na telha, divertida até não poder mais, ela não quis saber se nos Estados Unidos era prioridade andar à pé ou se ter carro lá era caro. Vive no Brasil e mais precisamente em São Cristóvão e, segundo ela, só vai andar de ônibus quando o problema do transporte público for resolvido pelo superintendente. Na verdade, ela disse o que todos nós queríamos dizer resumindo tudo numa única frase:


E para desespero de José de Almeida Bispo, viva a classe média!


terça-feira, 5 de julho de 2011

Portabilidade numérica: No segundo trimestre de 2011, migrações fazem história



Brasília, 04/7/2011 – Os brasileiros realizaram mais de 1,36 milhão de trocas de operadoras de telefonia mantendo o número dos seus telefones fixos e celulares entre os meses de abril e junho de 2011. O segundo trimestre do ano, envolve também os meses em que, historicamente, foram realizados os maiores volumes de portabilidade numérica desde que o serviço existe no País (setembro de 2008). Em maio, 306.208 números de telefones móveis foram portados e, na telefonia fixa, em junho, 179.533. Até agora, mês de dezembro de 2010 detinha maior volume de portabilidades de fixo, com 163.495 transferências, e 299.608 de móvel. Os registros são do balanço trimestral da ABR Telecom - Associação Brasileira de Recursos em Telecomunicações, a Entidade Administradora da portabilidade numérica no Brasil.

Desde setembro de 2008, quando a portabilidade numérica começou a ser implantada no Brasil gradativamente até beneficiar usuários dos 67 DDDs existentes, 10,55 milhões de migrações de telefones fixos e móveis já foram realizadas entre operadoras mantendo inalterados os números de identificação.

Entre abril e junho de 2011, a ABR Telecom, registrou a transferência de 1,36 milhão de números de telefone entre operadoras, com a portabilidade numérica. Dessas, 509,67 mil (37,39%) referem-se às demandas de usuário de telefonesfixos e 853,54 mil (62,61%) de aparelhos móveis.

Histórico - Em igual período do ano passado, 1,08 milhão de portabilidades numéricas foram efetivadas, das quais 322,39mil (29,77%) realizados para telefones fixos e 760,69 mil (70,23%) para móveis. 

Já no segundo trimestre de 2009, primeiro ano em que todo o País tinha acesso ao serviço, a ABR Telecom registrou866.656 migrações, das quais, 286,6 mil (33,07%) realizadas por usuários de telefones fixos e 580,1 mil (66,93%) de móvel.

Portabilidade - A portabilidade numérica é o serviço que permite ao usuário trocar de operadora de telefonia fixa e móvel com a manutenção do número do telefone.

A implantação da portabilidade numérica no Brasil seguiu um calendário gradativo, a partir do dia 1º de setembro de 2008, que foi cumprido com antecedência de 9 dias em relação ao prazo estabelecido pela Anatel para sua conclusão. No dia 2 de março de 2009, o serviço estava ao alcance dos usuários de todos os acessos telefônicos servidos pelos 67 DDDs existentes no País.

Passo-a-passo da portabilidade:

Para solicitar a portabilidade numérica o usuário deve procurar a operadora para onde ele quer migrar e fazer a solicitação.

Para realizar a solicitação, o usuário deve apresentar à prestadora para qual deseja migrar, documentação que comprove a titularidade do acesso.
 
O modelo de portabilidade numérica no Brasil determina que só podem ser solicitadas migrações dentro do mesmo serviço – móvel para móvel ou fixo para fixo – e na área de abrangência do mesmo DDD.

Regionalizado - Acompanhe o movimento das efetivações de transferências da portabilidade numérica conforme o DDD e a data de início do serviço, pelo site da ABR Telecom http://www.abrtelecom.com.br.

Busca - O site da ABR Telecom também disponibiliza uma ferramenta de busca para pesquisar a qual operadora pertencem os números de telefones que já se beneficiaram da portabilidade numérica, consulte aqui: http://consultanumero.abr.net.br:8080/consultanumero.

domingo, 3 de julho de 2011

Mudança de fase

(Foto: Internet)

Quando o conheci nem dei tanta importância assim, não olhei duas vezes, nem me chamou a atenção. Pra mim era mais um daqueles caras que não conseguem ver uma bunda. O tempo passou e numa dessas voltas que a vida dá, o vi de novo. Só que daí olhei de um jeito diferente. De alguma forma ele me envolveu, ou eu me deixei envolver, sei lá.  Ficamos juntos. No dia seguinte o que me impressionou foi o fato dele ter agido como se nada tivesse acontecido. Durante um tempo ficamos juntos algumas noites e o tratamento comigo era sempre diferente, distante. Medo? Timidez? Até porque algumas pessoas se assustam com meu jeito. Interpretei errado. Ele estava com outra pessoa e era mais um daqueles caras que não podem ver uma bunda. E que pena que chegou numa hora em que eu passei da fase de querer somente uma aventura. Apesar de querer mais, o melhor é parar com a brincadeira pra nao me magoar. Tô querendo mais do que alguém pra dividir somente a cama.

quarta-feira, 15 de junho de 2011

Instituto Vladimir Herzog resgata imprensa que resistiu à Ditadura‏

“O Projeto Resistir é Preciso” documenta a História da imprensa brasileira que nasceu, cresceu e se expandiu no exílio, na clandestinidade e até nas bancas de jornais


O Instituto Vladimir Herzog, criado em 25 de junho de 2009, irá apresentar, ainda neste mês, a coleção de 12 DVDs “Os Protagonistas dessa História”, que contêm os depoimentos de 60 jornalistas que combateram a Ditadura no Brasil, produzindo e distribuindo jornais de contestação do regime. 
Esta coleção faz parte do projeto “Resistir é Preciso...” (www.resistirepreciso.org.br), que registra toda a trajetória da imprensa brasileira que, durante as décadas de 1960 e 1970, atuou no exílio, na clandestinidade e até mesmo em bancas de jornal. O Projeto insere definitivamente na História do Brasil, de forma documentada, o papel desempenhado por estes jornais – legais e ilegais – que circularam para difundir idéias, mesmo sem a concordância do poder da época. Além disso, assegura que as novas gerações não percam a memória daqueles dias para que isso nunca mais se repita.

Patrocinado pela Petrobras, o projeto “Resistir é Preciso...” abrange uma pesquisa de mais de 300 jornais, organizada pelo historiador José Luiz del Royo e, além dos DVDs com 60 depoimentos de jornalistas que combateram a Ditadura no Brasil, compreende dez documentários de 26 minutos, programetes de três minutos, uma publicação ilustrada bilingüe, um portal na Internet e algumas exposições no Centro Cultural Banco do Brasil.

O lançamento da coleção de DVDs será no dia 27 de junho, no Memorial da Resistência, em São Paulo (SP). “Estamos comemorando o fato de já termos reunido as mais de 300 publicações deste período tão critico, debatido até hoje no Brasil”, explica Ivo Herzog, filho de Vladimir Herzog e diretor do Instituto.

Ao organizar um projeto com esta dimensão, o Instituto cumpre um de seus objetivos principais: preservar parte importante da História recente do Brasil, com a formação de um acervo multimídia, mantendo foco nas decorrências do Golpe de 1964, a partir da trajetória de vida de Vladimir Herzog. A data do lançamento do Projeto foi escolhida justamente por marcar o aniversário de dois anos de fundação do Instituto e quando Vladimir celebraria seu 74º aniversário.

Um dos jornalistas que contribuíram para o Projeto “Resistir é Preciso...” foi Reynaldo Jardim, que faleceu devido a um aneurisma um dia após dar seu depoimento. “Temos mais de seis horas de material bruto”, conta Ivo Herzog. “São histórias fortes, algumas inéditas, misturadas a depoimentos históricos. Grandes nomes do Jornalismo falaram sobre a Ditadura e sobre a imprensa da época. Ter o depoimento de Reynaldo Jardim, por exemplo, que, infelizmente, faleceu um dia depois de gravar sua mensagem, é uma honra para o Projeto”, completa.

Também deram seus depoimentos jornalistas de destaque como Paulo Moreira Leite, Juca Kfouri, Fernando Moraes, Audálio Dantas e Carlos Azevedo, entre outros profissionais que foram protagonistas da resistência e combate à Ditadura.

Sob a Coordenação Geral de Clarice Herzog, o projeto “Resistir é Preciso...” tem como coordenadores de conteúdo e de pesquisa os jornalistas Ricardo Carvalho e Vladimir Sacchetta e como curador de exposições, o artista plástico e protagonista cultural Fábio Magalhães.

A coleção de 12 DVDs será distribuída a bibliotecas e universidades. Além disso, o Projeto tem parcerias já firmadas com a Biblioteca Nacional, Arquivo Nacional / Memórias Reveladas e Cedem - Centro de Documentação e Memória da Unesp.

O Projeto está também alinhado com o objetivo do Governo Federal de criar e instalar a Comissão da Verdade, visando tornar públicos fatos e documentos da História recente do País e promover o direito dos cidadãos à memória e à verdade.

Sobre o Instituto Vladimir Herzog

O Instituto Vladimir Herzog (www.vladimirherzog.org), criado em 25 de junho de 2009, é uma organização sem fins lucrativos com neutralidade político-partidária, que tem a missão de contribuir para a reflexão e produção de informações que garantam o direito à vida e à justiça.

domingo, 12 de junho de 2011

Resposta a estudante Bárbara Souza

Este texto foi escrito e enviado ao jornalista Cláudio Nunes para que fosse publicado em seu blog na Infonet. Como me senti particularmente ofendida, e este é o meu espaço, resolvi publicar aqui também.

Caro, Cláudio Nunes é em respeito à sua coluna e ao jornalista que você é, que me senti no dever de escrever um texto em resposta a essa estudante Bárbara Souza em suas acusações ao movimento Chega de Migalhas.  Para melhor organização de minhas idéias responderei por pontos:
a) os verdadeiros interesses dos grupos que se camuflam "na defesa dos interesses estudantis".Tenho suas falas gravadas, sempre as mesmas. "Não vamos ficar parados pessoal" Até quando vamos aceitar isso?", e por aí vai.
Que verdadeiros interesses são estes que ela supõe além da real melhor estrutura para o curso, e que ela mesma aponta algumas das deficiências. Se as falas estão gravadas e são sempre as mesmas é pelo simples motivo de que há 04 anos, desde que entrei na Universidade, os problemas são os mesmos e que vem piorando a cada período. E não ficamos parados, realmente! Não aceitamos o que nos era imposto e, sim, ocupamos a reitoria, pois o reitor nunca se dignou a nos atender em pregressas reivindicações. Em 2009 entregamos, em mãos, um documento ao vice-reitor, Ângelo Antoniolli, apontando os problemas que tínhamso já naquela época e este nos “prometeu” uma audiência com o reitor. Audiência esta que nunca aconteceu, senão menos de 24h após a ocupação.  E para isso existem fotos comprovando o ato.
b) O "famoso" Doug se acha mesmo muito esperto, falando um monte de besteira. Mas, besta mesmo é quem se deixa ser usado como a colega diz, como massa de manobra. A ocupação na reitoria seria uma verdadeira luta, se estivesse sendo liderada por estudantes com único e verdadeiro interesse na melhoria do curso de comunicação social.
Em resposta a isso tenho que defender Doug, apesar de existir entre nós diversas divergências ideológicas. Famoso ou corajoso? Penso que ela errou na adjetivação. Doug ou Vinícius é um dos que mais lutaram pela melhoria do nosso curso. O que ela considera “ser esperto”? Baixar a cabeça e engolir as migalhas que nos eram servidas junto com a luta por refrigerante no Resun feita pelo DCE da UFS? Muito importante e salutar lutas como essa. Realmente melhorará a estrutura da universidade como um todo.
Agora, digo, a ocupação da reitoria foi um verdadeira luta, nela não houve líderes, mas pessoas unidas com um mesmo interesse. Estudantes que iam dormir às 2h da madrugada e acordavam às 6h para dar início às atividades do dia. Que se reuniam em busca de uma melhor solução para as nossas situações. Gente que perdeu trabalho, aula, deixou a família em casa para se dedicar a uma causa em que acreditavam. E que, graças a essa coesão e solidariedade, não só dos estudantes do curso de comunicação, mas a de diversos estudantes dos outros cursos problemáticos dentro da Universidade e de pessoas e entidades de toda a sociedade, saiu vitoriosa.  Vitória esta que ultrapassou o campo da comunicação, pois a Universidade ficou responsável de fazer injunções ao MEC para rever a forma de contratação de docentes, conforme você poderá ler na ata da reunião com o MPF.
c) Nos falta laboratório, a rádio não tem nada de comunitária, nosso jornal impresso é semestral!!Dependemos dos equipamentos do CESAD, que claro, tem a prioridade. Não me envolvo nestas reivindicações falsas dos grêmios estudantis, sempre me foi muito óbvio a participação de determinados partidos políticos.
Ora, aqui ela própria elenca alguns problemas, mesmo com algumas distorções, mostrando como ela está a par do que acontece em seu próprio curso. Primeiro a rádio não é comunitária, mas universitária e educativa e o nosso jornal laboratório não é semestral, mas trimestral, mas como ela poderia saber disso, se ela não freqüenta as aulas, não é mesmo? Talvez ela nunca tenha se envolvido em lutas de grêmios estudantis, pois estes ela deixou para trás quando saiu do ensino médio, mas mais uma vez reforço, como ela poderia saber disso, se nunca foi a uma reunião sequer do Diretório Acadêmico? Com relação à participação de partidos políticos, ela está equivocada. Não houve a participação de nenhum deles, porém havia lá estudantes de diversos, inclusive muitos deles nos enviaram moções de apoio, como o PT por meio da JPT. Eu mesma, embora não militante, sou filiada há dois anos ao PC do B. Será que este partido, ao qual o DCE é ligado, por meio da UJS, também teria interesses? Se tem, não estou sabendo, pois durante os 10 dias em que fiquei na ocupação,  nenhum representante do diretório central nos procurou para nada. Aliás, sua única ação foi retirar alguns dos cartazes que pregamos na Universidade e espalhar panfletos solicitando que houvesse venda de sucos no restaurante universitário enquanto não havia a volta da venda de refrigerantes, pois os alunos eram ‘obrigados” a carregar as pesadas latinhas de 350 ml na fila, que por sinal, é imensa. E afirmo isso porque eu mesma vi.
d) Estes alunos que se dizem defender melhoria na UFS, nem as aulas frequentam! Pergunte a eles quantos anos estão na universidade! Por favor!
Não posso falar por todos, mas por mim posso. Eu freqüento as aulas, todos os professores me conhecem e sabem de minha dedicação não só às aulas, mas aos trabalhos extra-classe também. Tanto que fui Bolsista de Iniciação Científica  por dois anos consecutivos, orientada pelo professor Carlos Franciscato;  Bolsista de Iniciação à Extensão em 2008 com o mesmo professor, e mais uma vez agora com um projeto de rádio que é veiculado na rádio UFS, orientado pelo professor Matheus Felizola. Além disso, desenvolvo e tenho publicado diversos artigos científicos nas áreas do Marketing e do Jornalismo e, somente para citar minhas atividades acadêmicas, faço parte do quadro de locutores da rádio UFS, para o qual houve ampla concorrência. Durante todo esse tempo, além dessas atividades, também estagiei na Secretaria de Saúde Municipal e no E-aju, da Secretaria Municipal de Comunicação. Daí eu te pergunto, com todas essas atividades eu sou figura freqüente nas aulas, enquanto que essa Bárbara Souza já trancou diversas disciplinas ou foi reprovada por faltas, sei disso, porque peguei diversas com ela e tenho a lista de presença para provar. Portanto, Bárbara, penso que você não pode falar sobre quem freqüenta ou não as aulas, não é verdade? Diga você quando concluirá seu curso. Alguns atrasam porque precisam trabalhar para pagar as contas, como foi o meu caso que atrasei o curso em dois períodos.
e)o movimento Chegademigalhas seria válido, se feito com o propósito original de protestar contra as deficiências no nosso curso, mas o que está na reitoria é um circo armado! Poderia citar os principais nomes, mas prefiro não me envolver. Não é justo parar as aulas por uma manifestação ridícula, onde não há espaço para o bom senso e para a discussão de idéias viáveis ao entendimento de melhorias do curso.
O movimento Chega de Migalhas foi válido, tanto que ultrapassou os problemas do curso de comunicação e será ampliado por toda a Universidade. Deliberação feita com os mais de 300 estudantes que compareceram à Assembleia Estudantil convocada por nós do movimento Chega de migalhas, onde os estudantes vinham a público relatar as deficiências de cada curso. Essa Assembleia pode não ser reconhecida, mas há quatro anos o DCE não convoca uma assembléia. Por isso a fizemos, e o comparecimento dos alunos só mostrou que eles estão querendo melhorias. Que eles, assim como nós também estão gritando Chega de Migalhas! Circo armado? Onde um espaço em que havia debates, aulas públicas e grupos de discussão das mais diversas áreas pode ser considerado um circo? Citar os principais nomes? Desde já ofereço o meu para compor, pois se ser acusada de lutar pelo que acredita, de reivindicar o meu direito por uma educação superior de qualidade é crime, então que me acusem! Além disso, em momento algum paralisamos as aulas, se ela considera o exercício de cidadania uma manifestação ridícula, penso que a falta de bom senso e de discussão de idéias está ao lado dela e não do nosso. Que ela fique então aceitando o refrigerante do DCE para ajudar a engolir as migalhas envelhecidas e ultrapassadas do pão e circo da calourada do desmantelo. Enquanto isso, nós lutaremos, ocuparemos e reivindicaremos nosso direito. Permaneceremos ocupados. Ocupados com a luta pela educação de qualidade. E à essa luta convoco a todos dentro e fora da Universidade para, conosco, gritar       CHEGA DE MIGALHAS!
 Desde já agradeço o espaço