sábado, 20 de dezembro de 2008

PAPAI NOEL: Do analógico ao digital

Velhinho de barbas brancas, roupa vermelha e num trenó puxado por renas voadoras. Esta é a imagem que todos têm do Papai Noel. O que mudou, porém, foram as formas de se corresponder com ele.
Da mesma forma que os meios de comunicação evoluíram no tempo, o contato com o Bom Velhinho também evoluiu. Passou do bilhetinho dentro das meias penduradas nas janelas e lareiras às cartinhas enviadas pelos Correios e destas aos e-mails, blogs, e sites oficiais para correspondências com ele.Na era digital a praticidade e a velocidade reinam. Dessa maneira, fica ainda mais fácil falar com Papai Noel. Em seu site oficial (www.opapainoel.com.br), as crianças podem brincar, conversar, ouvir músicas e enviar cartinhas, além de conhecer sua história, sua origem, e seu endereço. A tecnologia da era digital domina o desejo das crianças, e hoje alguns dos presentes pedidos nas cartinhas para Papai Noel são Ipods, computadores, celulares e Playstations, dentre outros.Apesar disso, a Empresa Brasileira de Correios e Telégrafos (EBCT), mantém há cerca de 30 anos o Projeto Papai Noel dos Correios, surgido da imaginação de crianças, na maioria de baixa renda, que resolviam escrever ao Papai Noel pedindo-lhe um presente por ocasião do Natal. As cartinhas não podiam ser entregues porque eram endereçadas a Papai Noel e remetidas ao Pólo-Norte, portanto, os empregados dos Correios abriam essas cartinhas e começaram a atender aos pedidos, até que um dia, há cerca de 15 anos, a Empresa institucionalizou a atividade com o nome de Projeto Papai Noel dos Correios.Em Aracaju, este ano, o Projeto recebeu mais de dez mil cartinhas. Mas um fato curioso aconteceu: ao invés de presentes para si mesmas, estas crianças pediam cestas básicas, roupinhas para passar o Natal, material escolar e até material de construção. Segundo o assessor de comunicação dos Correios, José Ginaldo dos Santos isso é um reflexo do que a sociedade está vivendo e é preciso recuperar valores que estão se perdendo. “Resgatar o espírito natalino e fomentar sentimentos inerentes a esse período como: solidariedade, compaixão e respeito ao próximo, atendendo pedidos de crianças que escrevem ao Papai Noel”, explica.

Papai Noel Virtual
Em 2007, a Microsoft criou o MSN e um e-mail em nome do Papai Noel. Era um serviço para que as crianças que possuem acesso à Internet conversassem com ele através de mensagens instantâneas. Este canal de comunicação possibilitava também facilidade e agilidade em contar seus desejos ao Bom Velhinho.O contato virtual com o Papai Noel surgiu em Los Angeles, EUA, mas infelizmente não deu certo, pois as respostas eram geradas por um programa, o que apresentou diversos problemas com algumas respostas do Papai Noel que derivavam para temas sexuais. A Microsoft, então, retirou o serviço, que já vinha incluído no programa do Messenger. Entretanto, segundo o site do Estadão (www.estadao.com.br), as páginas virtuais que oferecem às crianças contato direto com o Papai Noel vêm se proliferando na América do Norte nos últimos anos, tomando paulatinamente o lugar das antigas cartas escritas ao bom velhinho.

A lenda do Papai Noel continua…

Aproveitando os festejos de fim de ano para obter uma renda extra, Antônio Carlos de Oliveira Souza trabalha de Papai Noel no Shopping Jardins e também é avô. Ele nota que o mundo está mudando, a inteligência, o olhar e o interesse das crianças se modificam, mas a fantasia continua presente “É realmente fascinante a inteligência das criancinhas, o mundo atualizado faz a cabeça delas, e hoje, no encontro delas comigo me pedem computador, celular, jogos. Apesar de tudo a cultura não foi perdida, e a lenda do Natal e do Papai Noel continua”, diz.Por mais que aconteçam mudanças, os sonhos e os desejos das crianças e os sons musicais do Papai Noel não foram eliminados, continuam embalando as características do Natal. E essa lenda do Papai Noel foi inspirada em um arcebispo da igreja católica, Nicolau Taumaturgo, que viveu no séc. IV e fazia doações aos pobres.
A imagem de Papai Noel contemporâneo foi feita por Thomas Nast, em 1886, na revista Harper’s Weeklys e amplamente divulgada pela Coca Cola a partir de 1931. Daí que a história que circula pela internet de que ela seja a responsável pelo atual visual não é verdadeira. Ela apenas veiculou numa campanha publicitária as cores do Papai Noel de Nast que coincidiam com as cores de sua marca.
O que não devemos esquecer é que na era analógica ou na digital, o Papai Noel está associado às cartinhas. Mesmo com todo o desenvolvimento tecnológico, ainda há cartinhas com pedidos cheios de esperança em contraste com o sofrimento. Ainda existem pedidos de paz, amor e união. Assim é o Natal de todas as crianças. Seja rica, seja pobre, através de e-mails, MSN e até mesmo nas cartinhas manuscritas e cheias de desenho. No fundo o que todas querem é ser feliz… e ganhar presentes.

Por Elaine Mesoli, Allana Rafaela, Aryane Henriques e Joanne Mota
Postado originalmente no blog empautaufs.wordpress.com
Imagens: Google

terça-feira, 2 de dezembro de 2008

Papai Noel dos Correios: adote uma cartinha e melhore o natal de uma criança*

Mais de nove mil cartas endereçadas ao Papai Noel foram recebidas pelos Correios até ontem, dia 01/12, quando aconteceu o lançamento oficial do Projeto Papai Noel dos Correios, que já existe há quase 30 anos.
No ano passado foram recebidas 2 901 cartas e foram atendidas 1,700. Este ano o número triplicou, superando todas as expectativas. O sucesso do projeto se deve a divulgação nas escolas pelos professores e pelos pais, que incentivam seus filhos a escreverem ao bom velhinho fazendo seus pedidos.
Em geral são crianças carentes que moram nas periferias da grande Aracaju, mas tem também muitas cartinhas de Moita Bonita e Santa Luzia do Itanhy e de todo o interior do Estado. Nos pedidos são encontrados desde roupas até computadores, porém o pedido campeão este ano são os materiais escolares. As crianças pedem cadernos, lápis, tênis e mochilas e escrevem, de maneira singela, que estão cansados de irem à escola com fardas e materiais já usados.
Existem também casos engraçados como o de Dona Marli, moradora do Bairro Industrial e que já enviou mais de 30 cartas pro Papai Noel. Dona Marli chega a numerar as cartas que envia e chegou a pedir, numa delas, a quantia de 2000 reais para saldar uma dívida. “A gente tem de tentar a sorte. Não sabia que o projeto era voltado apenas para as crianças e que só era aceita apenas uma carta. Por isso mandei tantas. Pensei que fosse por sorteio. Agora que sei, ano que vem só vou mandar para os meus netinhos e uma só para cada.”, diz ela sorrindo.


No lançamento do projeto, no hall da Agência Central dos Correios, apresentou-se o coral CARTAVOZES, composto por funcionários ativos e aposentados da empresa. Houve também o lançamento da exposição de quadros da artista plástica Marly Gentil Barreto, empregada aposentada dos Correios, cuja obra ficará exposta todo o mês de dezembro.
Em entrevista exclusiva ao Inclusão Social, o assessor de comunicação dos Correios, José Ginaldo dos Santos, que este ano está responsável pelo Projeto, nos contou como funciona e o que fazer para adotar uma cartinha e se tornar um voluntário. Acompanhe.

IS - Quem pode adotar uma carta?
R – Qualquer pessoa pode adotar uma carta, desde tenha real interesse em atender ao pedido da criança.

IS - Como fazer para adotar uma carta?
R – Basta comparecer à Agência Central dos Correios, situada à Rua Laranjeiras, 229, Centro, Aracaju/SE e procurar o setor de atendimento do Projeto Papai Noel dos Correios. Lá o interessado encontrará diversas cartas, podendo escolher aquela que melhor atenda o seu desejo. Escolhida a carta a pessoa adquire o presente e o entrega no mesmo local (Agência Central dos Correios). O presente será entregue à criança pelo Papai Noel dos Correios.

IS - Há quantos anos existe o projeto aqui em Sergipe? Como se originou?
R – Não sabemos ao certo há quantos anos existe, pois é antigo, 30 anos, talvez. Surgiu da imaginação de crianças que resolviam escrever ao Papai Noel pedindo-lhe um presente por ocasião do Natal – crianças pobres, na maioria. Empregados dos Correios, não podendo entregar as cartas por serem endereçadas a Papai Noel e sem endereço ou remetidas ao Pólo-Norte, ao Céu etc., abriam essas cartinhas e começaram a atender aos pedidos, por compaixão, talvez, até que um dia, há cerca de 15 anos, a Empresa institucionalizou a atividade com o nome de Projeto Papai Noel dos Correios.

IS - Pode ler a carta antes a adotá-la?
R – Sim, e é exatamente por poder ler as cartas que a maioria das pessoas se sensibiliza a acabam por adotá-las, pois muitas vezes a forma como a criança apresenta seu pedido nos emociona.

IS - Quantas cartas o Correio recebem todo ano, em Sergipe?
R – Não temos ao certo o número de cartas recebidas nos anos anteriores. Sabemos que em 2007 foram 2.901 cartas. A cada ano o número de cartas cresce consideravelmente. Este ano já chegou a 9 mil podendo ultrapassá-lo.

IS - Qual a percentagem de adoção?
R – Normalmente chega a aproximadamente 70%. Algumas são eliminadas, pois fogem aos critérios do projeto (pedidos fora da realidade etc.).

IS - Como é feita a entrega?
R – Normalmente a entrega é feita por um Carteiro, vestido de Papai Noel, em data próxima ao Natal.

IS - E se a família da criança souber do projeto e mandar diversas cartas?
R – Normalmente isso tem ocorrido, porém o sistema só aceita a inclusão de uma, logo as demais serão desconsideradas, até para evitar que uma mesma criança receba mais de um presente e outras não recebam nenhum.

IS - Qual idade limite da criança para a carta fazer parte do projeto?
R – 12 anos, é a idade limite, até porque acima disso, talvez o sonho já não seja mais de criança, com algumas exceções, talvez.

IS - Existe algum critério para que a cartinha seja selecionada?
R – Além da idade, como já dissemos, 12 anos, observa-se também: a natureza do pedido (tipo de presente solicitado e motivo); situação sócio-econômica da família (local onde mora, composição e renda familiar, quando possível); situação de vida relatada (portadores de necessidades especiais, invalidez etc.).

IS - Quem participa do Projeto?
P – Empregados dos Correios e pessoas voluntárias, mesmo que não trabalhem nos Correios também poderão participar.

IS - Entidades jurídicas como empresas, ONG’s, podem adotar cartas ou apenas pessoas que fazem parte da sociedade civil?
R – Qualquer pessoa, seja física ou jurídica, empresas, ONG’s, entidades etc. podem adotar cartas. A única exigência do Projeto é que o façam de forma despretensiosa, ou seja, sem vinculação de imagem institucional ao Projeto, como fazem os cidadãos e cidadãs comuns.

IS - Como a criança sabe que sua cartinha foi contemplada?
R – Normalmente não sabe porque não há nenhuma ação dos Correios no sentido de informá-la quanto a isso. Apenas entregamos os presentes àquelas que foram contempladas. Uma informação importante é que a todas elas o Papai Noel dos Correios escreve uma cartinha, estimulando-as a continuarem escrevendo, a serem crianças boas, educadas, estudiosas e obedientes (mais ou menos assim).

IS - Qual o objetivo da campanha?
R – Resgatar o espírito natalino e fomentar sentimentos inerentes a esse período como: solidariedade, compaixão e respeito ao próximo, atendendo pedidos de crianças que escrevem ao papai Noel.

IS - Quem procurar para adotar uma carta?
R – O Setor de atendimento do Projeto Papai Noel dos Correios, na Agência Central dos Correios, centro da Capital.

IS - Até quando serão recebidas as cartas?
R – A nossa idéia é trabalhar com as cartas recebidas até 12 de dezembro. A partir dessa data a equipe deve trabalhar os presentes (embalagem, etiquetamento, ordenamento etc.), visando à entrega.

IS - Telefone de Contato?
R – Qualquer contato pode ser feito por meios dos telefones: 2107-6118 ou 2107-6104 – Assessoria de Comunicação Social.



* Entrevista originalmente postada no Portal Inclusão Social
Fotos: Elaine Mesoli e
Andréa Carla Oliveira