quinta-feira, 1 de janeiro de 2009

Crônica de um casamento infeliz

Bia é daqueles tipos de pessoas que estão sempre dispostas a tudo. Os amigos podem sempre contar com sua ajuda e ela tem sempre uma opinião. Mas se não estiver disposto a ouvir algo que não queira, não peça! Ela nunca teve muito jogo de cintura pra agradar as pessoas. Agradar não é o forte de Bia.
Apesar disso ela é uma mulher forte. Já está em seu segundo casamento. E casou apenas porque estava cansada de dormir todos os dias com homens diferentes e não ter com quem compartilhar sua vida.
Casou a primeira vez e dormia todos os dias com o mesmo homem, mas continuou a não ter ninguém com quem compartilhar a vida. Casou a segunda vez e continuou com o mesmo problema.
Ela continua casada. Apenas porque gosta de dormir com a mesma pessoa todos os dias. Não sei porque Bia continua casada. Ela e seu marido gostam de coisas diferentes e, como ela mesma costuma dizer: "levam vidas paralelas".
Bia tem seus casinhos extraconjugais. Aquele friozinho na barriga que só os apaixonados possuem é que faz ela sorrir sozinha quando lembra das palavras doces que ouve de seus "namoradinhos". Nem sempre as palavras são doces, às vezes são sacanagens mesmo, mas ela adora ouvir.
O problema é que os casinhos acabam cansando e virando rotina. Daí ela bota o carinha de molho. Não dispensa. Afinal, nunca sabe quando poderá precisar dele novamente.
Ela não é infeliz. Pelo contrário. Está sempre sorrindo. Só os seus relacionamentos é que são infelizes. Mas ela consegue viver desse jeito. Estes dias chegou à conclusão de que não casará pela terceira vez. Que seus problemas de relacionamento e solidão acabarão se morar junto com um amigo.
Amigo é melhor que marido. Dividirão tudo. Casa, comida, despesas, problemas. Até a cama. Farão sexo eventualmente. Dormirão juntos todos os dias. Brigarão também vez ou outra.
Com um amigo ela poderá compartilhar sua vida e dormir junto com a mesma pessoa todos os dias.

4 comentários:

Anônimo disse...

Existem muitas pessoas como a Bia.Eu pelo menos sou casada há quatro anos e não sou feliz,também durmo com alguém todos os dias e me sinto só.Solidão a dois é muito triste.já tive um casinho,e concordo com a Bia é muito bom ouvir palavras doces,não ouvir cobranças,se sentir viva e desejada às vezes.Ao contrario dela,continuo casada porque tenho um filho de dois anos que sofre muito todas as vezes que tento me separar.Sei que isso para muitos não é desculpa,mas só quem vive o momento pode descrever.Estou me fortalecendo primeiro para poder dar todo o apoio para o meu filho,pois sei que ele irá sofrer muito quando isto acontecer.
A vida é muito curta e quando nós achamos que estamos preparados para enfrentá-la já é hora de partir! Por isso tenho pressa!!!
Viva a vida a cada dia como se fosse o último,portanto não espere chegar ao último ensaio pois an vida não é uma peça de teatro e pode ser que no final você não receba aplausos.

Alice

Anônimo disse...

Também concordo com a bia, vivo um casamento de um ano, e está insuportavel. solidão a dois é mt triste mesmo, nem dormi no mesmo quarto estou aguentando mais, prefiro dormir no sofá sozinha, me sinto melhor.
estou cansada de esperar que o relacionamento melhore , mas n melhora nunca,as coisas só estão piorando, a presença do meu marido está me sufocando, n aguento nem escutar a voz dele, pq só sabe abrir a boca para reclamar, incompatibilidade de genios total
=/

Anônimo disse...

Oi Bia, tbm estou nessa. Me seinto muito sozinha, casei com o homem q amava loucamente. E derrepente vi que nao era bem assim, hoje estamos casados ha 5 anos, e acho que fui feliz 1 anos. Ele nao me entende, nao conversa comigo, nao e meu parceiro em nenhum momento, faço tudo sozinha, saiu muito sozinha, as vezes muito raramente ele sai comigo mais acho muito estranho. Numca trai e nem penso, pois acho que isso nao vai me ajudar em nada, muito pelo contrario vou ficar mais confusa ainda. Acho que nunca mais seremos os mesmo!!! Acho que estou desistindo dele!!!

juliana disse...

http://paraquesecasar.blogspot.com/2010/05/para-que-se-casar.html